Projetos de sucesso com preço que cabe no budget


leucemia_ninyos

 

Pesquisa iniciada em 2009 auxiliará no tratamento de crianças com leucemia linfoide aguda será realizado, pela primeira vez com um público de mais de 130 especialistas, o Encontro de Leucemia Linfoide Aguda (LLA) na Infância idealizado pelo Grupo Brasileiro de Leucemia Infantil (GBTLI) da Sociedade Brasileira Oncologia Pediátrica (SOBOPE), no hotel Ibis, em São Paulo. No evento, que será gratuito e é realizado há anos periodicamente pelo grupo, especialistas de diversas universidades debaterão as formas de tratamento para a LLA e será apresentado estudo inédito sobre a Doença Residual Mínima (DRM).

A oncologista pediátrica e hemoterapeuta Silvia Brandalise, fundadora e ex-presidente da SOBOPE, explica que é a primeira vez que o encontro toma proporções grandes com um número expressivo de participantes, ela conta também que o ponto alto do evento é unir os profissionais especializados em leucemia para discussão de temas diretamente relacionados ao tratamento da doença. “Não adianta só trabalhar em quimioterapia e não sistematizar as questões de transfusão de sangue, trombose e problemas de infecção. Enfatizamos também a terapia de suporte, que atua na prevenção das intercorrências causadas pelo tratamento”.

Silvia também ressalta a importância da elaboração de estudos pelo grupo que resultaram no Protocolo GBTLI LLA – 2009, que trás para o Brasil uma delineação sistematizada da DRM. O Protocolo implica na quantificação das células malignas que ainda persistem no corpo do paciente. A pesquisa teve como função protocolar métodos mais eficazes, como o RT-PCR – técnica que permite visualizar a expressão gênica – que detecta uma célula maligna em 100 mil células. “É um exame altamente sensível e é mais exato na detecção de quantidades minúsculas de células espalhadas pelo corpo. A quantificação das células malignas entrou como uma grande ferramenta neste estudo e proporcionou a vários profissionais brasileiros o trabalho nos EUA e Europa, de forma que pudessem trazer para o Brasil o que existe de mais moderno nesta avaliação tecnológica da doença”.

Ainda de acordo com Silvia, a metodologia facilita a detecção de células malignas já nas primeiras semanas de tratamento, evitando uma terapêutica mais intensa nos pacientes que apresentam alta sensibilidade à quimioterapia e aumentando a intensidade nas que possuem mais tolerância.

O evento também contará com elaborado programa científico que discutirá assuntos como o impacto das mutações Íkaros, CRLF2 e Jak 2 no prognóstico de LLA de Alto Risco; principais complicações da L-Asparaginase; Hiperglicemia, Trombose em LLA, Clostridium Difficile e apresentação de dados atuais do GBTLI

Data: 29 de março de 2014
Local: Hotel Ibis São Paulo Congonhas
Horário: das 8h às 18h
Inscrições: ana@sobope.org.br

Fonte: http://www.snifbrasil.com.br/noticias.php?id=5759

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: