Projetos de sucesso com preço que cabe no budget


CVS compra Onofre por R$ 670 milhões

O anúncio da aquisição do controle da rede de farmácias Onofre pela americana CVS é o mais importante movimento de entrada de capital estrangeiro no setor de drogarias no país. E a mais cara operação já feita nesse segmento. Maior grupo de varejo e serviços de farmácias dos Estados Unidos, a CVS pagou R$ 670 milhões por 80% da rede brasileira, avaliada em R$ 830 milhões, apurou o Valor. A família Arede, fundadora da empresa, ficou com os outros 20%. Pagaram à vista, em dinheiro, e assumiram também as dívidas da companhia.

O valor do negócio equivale a 26 vezes o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) alcançado pela empresa em 2012 – a taxa máxima registrada nesse mercado era 15 vezes o Ebitda (ver análise abaixo). Oficialmente, as empresas não informaram os valores da transação. Liderada pelos executivos Ricardo e Marcos Arede, a Onofre acertou com a CVS a permanência dos cofundadores no comando. Não foi informado o período para isso. Os diretores são netos de Arlindo Arede, criador em 1934 da “Pharmacia Onofre”, que em 1957 se transformou em Drogaria Onofre.

arte07emp-101-farmacia-b1

A rede varejista é a oitava maior do país, com 44 lojas e receita de R$ 452 milhões no ano passado, apurou o Valor. A família vendeu o controle porque entendeu que precisava acelerar o crescimento para não perder escala e acabar encolhendo, num mercado em forte consolidação, segundo fonte próxima à família. Desde 2010, esse setor enfrenta um processo de concentração em pleno andamento – a Raia se uniu à Drogasil e a Drogaria São Paulo se juntou com a Pacheco, ambos os negócios em 2010. A BR Pharma comprou uma série de empresas nos últimos dois anos.

A confirmação da operação aconteceu ontem, pelo comando da CVS, em teleconferência de resultados do quarto trimestre – quando a companhia anunciou alta de 15% na receita líquida de US$ 124 bilhões em 2012, e aumento de 14,2% no lucro operacional, que atingiu US$ 7,2 bilhões no ano passado. “O Brasil é um ótimo mercado cujo crescimento na área de produtos de cuidados para saúde e farmácias deve alcançar dois dígitos na próxima década”, disse aos analistas Larry Merlo, presidente mundial da CVS.

De acordo com Merlo, a elevada pulverização desse setor no país pode ser uma boa oportunidade para crescer, já que há dezenas de médias e pequenas companhias espalhadas pelo país. Segundo analistas, o contínuo aumento da demanda desse segmento, ancorado na alta da renda e estabilidade nas taxas de desemprego também compõe esse cenário de interesse no mercado local. “A única lógica que explica uma aquisição tão cara é a questão estratégica. Mercados como o Brasil viraram prioritários”, disse o economista Nelson Barrizzelli.

É o mesmo motivo que leva outras cadeias estrangeiras a pensar em entrar no país. Walgreens e Duane Reade já teriam estudado o mercado local, de acordo com fontes de bancos.

No Brasil, a CVS terá que operar num mercado com taxas de retorno menores que o registrado pelo grupo, num setor com outra legislação e quadro concorrencial diferente. Nos EUA, a margem bruta da CVS está em 31%. Na Brasil, o índice não passa de 25% entre as redes de capital aberto. Até então, a primeira e única negociação de empresa estrangeira foi a entrada da mexicana Casa Saba, que já se desfez da redes Drogasmil adquiridas em 2008.

Em 2012, as vendas das principais varejistas do setor mantiveram sua tendência de crescimento em 2012, de acordo com a Associação Brasileira de redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma). A receita das 31 empresas ligadas à entidade atingiu R$ 25 bilhões, alta 16% em relação ao mesmo período de 2011. Do valor total, os medicamentos registraram incremento de 15,27%, somando R$ 17,26 bilhões, dos quais R$ 3,1 bilhões foram de remédios genéricos. Os não medicamentos totalizaram R$ 7,79 bilhões, alta de 17,67% em relação a 2011. Outro destaque foi o aumento de vendas do programa “Aqui tem Farmácia Popular”. As vendas atingiram R$ 468 milhões, aumento de 49,2% sobre o ano anterior.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: